Yebo Gumboot Dance Brasil integra programação do evento “Negro de Todas as Cores”

Post 6 de 600

Dirigido por Rubens Oliveira, Gumboot é uma dança popular com botas de borracha, criada pelos trabalhadores das minas de carvão, ouro e diamantes da África do Sul, no século XIX. Trabalhando em regime praticamente de escravidão, os nativos sul-africanos foram contratados para trabalhar nas minas em péssimas condições de existência, impossibilitados sequer de falarem entre si.
Yebo é o segundo espetáculo do Gumboot Dance Brasil. Aborda a exploração, tanto das minas como dos sete povos levados para extração de minério, a criação de um dialeto sonoro a partir das batidas nas botas de borracha, a espera das mulheres por seus maridos mineiros durante a temporada de exploração das minas.

A batida das botas de borracha no chão das minas foi uma linguagem criada para a comunicação, já que pessoas de diversas etnias viviam confinadas. A cadência das botas e seus movimentos aos poucos evoluíram para uma dança. Segundo Rubens Oliveira, havia diversas simbologias que simplificavam essa comunicação como a saudade da família, o trem que os conduzia às minas e a própria iniciativa de se divertir por mais que estivessem em condições insalubres de trabalho. “A coerência de sons e ritmo foram amadurecendo e aos poucos transformaram a ‘comunicação das botas’ em dança”, explica o bailarino.

Com o espetáculo o grupo faz uma reflexão sobre as semelhanças entre um homem da África do Sul recrutado para trabalhar numa mina de ouro – numa situação que se assemelha ao trabalho escravo (embora legalmente não o seja) – com um homem brasileiro que sobe na carroceria de um caminhão com uma promessa de trabalho que é só uma esperança. Yebo reflete esse desejo de construir uma vida melhor, de se aventurar numa oferta ‘milagrosa’ capaz de mantê-los vivo e dar sustento aos seus.

Gumboot Dance Brasil

O Gumboot Dance Brasil começou em 2008, a partir da pesquisa do bailarino e coreógrafo Rubens Oliveira. Rubens teve sua formação inicial com Ivaldo Bertazzo, tendo feito parte de sua companhia durante oito anos. Depois disso trabalhou com profissionais como Antônio Nobrega, Inês Bogéa, Susana Mafra e Benjamin Taubkin. Teve contato com o gumboot na Cia. Ivaldo Bertazzo, com o grupo Kova Brothers, da África do Sul, dando início a um grupo de pesquisa e viajando à África do Sul para conhecer melhor a técnica. De volta ao Brasil formou o Gumboot Dance Brasil que estreou o primeiro espetáculo em 2010. Rubens e o grupo já estiveram em Paris ministrando workshop, além de mostrarem seu trabalho em vários lugares da capital e interior de São Paulo. Em 2013, estreou a segunda montagem, Yebo. A proposta da companhia é pesquisar e difundir esta técnica. Formado por 14 bailarinos, utiliza-se de base rítmica, da percussão corporal e dos cantos como elementos centrais, assim como a constante articulação entre as riquezas culturais das duas nações. Pontos de semelhança são explorados no trabalho de pesquisa, trazendo uma releitura da técnica gumboot ao contexto cultural brasileiro. Seu novo espetáculo é Subterrâneo.

SERVIÇO:
Data: 12/11 (segunda-feira)
Horário: 20h
Ingressos: 1 Kg de Farinha de Trigo ou 1 Kg de Farinha de Milho
Ponto de Troca: Teatro Municipal de Ubatuba
As trocas podem ser feitas a partir de quinta-feira, 08/11, das 9h às 12h e  das 14h às 18h
Informações: (12) 3833-1191

Menu